Os conflitos no mundo obrigaram no ano passado quase 12 milhões de pessoas a deslocamentos dentro de seus próprios países, um recorde na última década, indica um relatório do IDMC, organismo que monitora o tema.

No total, 11,8 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas e a uma transferência dentro das fronteiras de seus países em 2017 em consequência de conflitos e da violência, quase o dobro das 6,9 milhões de pessoas registradas no ano anterior. O levantamento é do Internal Displacement Monitoring Centre (IDMC) e do Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC).
Leia também:

ONGs alertam para retorno forçado de refugiados à Síria

Quarenta milhões de pessoas em todo o mundo estão deslocadas em seus países por conflito, destaca o relatório do IDMC. “É o maior número registrado durante a década”, afirmou Alexandra Bilak, diretora do IDMC, em Genebra.

“O impressionante número de pessoas obrigadas a fugir de suas casas pelos conflitos e a violência deve abrir os olhos de todos”, disse Jan Egeland, secretário-geral do NRC.

Os deslocados do ano de 2017 procedem em 76% de 10 países, que incluem Síria, República Democrática do Congo e Iraque, três países que representam metade das pessoas afetadas.

A Síria registrou o deslocamento de 2,9 milhões de pessoas no ano passado, muitas delas pela segunda ou terceira vez, o que eleva o número total de deslocados a 6,8 milhões neste país devastado pela guerra.
O relatório explica ainda que 18,8 milhões de pessoas em 135 países foram afetadas por catástrofes naturais (inundações, tempestades e ciclones).

Adicionados aos milhões de deslocados pelas guerras, no total 31 milhões de pessoas eram afetadas pelo problema em seus países no ano passado, mais de 80.000 por dia.


Compartilhar:

Deixe seus Comentario