Washington

Um dia depois de o ditador Nicolás Maduro vencer uma eleição amplamente contestada na Venezuela, o presidente americano, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (21) novas sanções contra o país, que proíbem a compra ou venda de ativos que pertençam ao governo venezuelano nos EUA.

A medida afeta qualquer ativo do país, inclusive do Banco Central da Venezuela e da petroleira PDVSA, que é estatal.

“Esse dinheiro pertence ao povo venezuelano”, afirmou Trump. “São ativos que serão necessários para reconstruir a economia.”

É mais uma medida dos EUA para pressionar economicamente o regime de Maduro, cuja reeleição foi qualificada por Washington como “fraudulenta” e “um ataque à ordem constitucional”.

Publicidade

“Até que o regime de Maduro restaure a democracia na Venezuela, o governo enfrentará o isolamento da comunidade internacional”, afirmou o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

Com a ordem assinada nesta segunda, ficam proibidas compras, vendas, transferências e garantias de qualquer ativo em que o governo da Venezuela tenha pelo menos 50% de posse, bem como de títulos de dívida pública e débitos devidos ao país.

O governo americano justificou a medida afirmando que o regime de Maduro “atenta contra a ordem democrática ao realizar eleições antecipadas que não são livres nem justas”.

Segundo a Casa Branca, funcionários do governo venezuelano vinham liquidando ativos públicos a preços muito menores do que seu real valor, embolsando parte do dinheiro em propina.

Autoridades da administração Trump também alertaram que nenhuma operação financeira que busque patrocinar o regime da Venezuela será permitida nos EUA.


Compartilhar:

Deixe seus Comentario